"Educar é um exercício de imortalidade. De alguma forma continuamos a viver naqueles cujos olhos aprenderam a ver o mundo pela magia da nossa palavra. O professor, assim, não morre jamais...Entendo assim a tarefa primeira do educador: Dar aos alunos a razão para viver”.
RUBEM ALVES

quarta-feira, 28 de março de 2012

Inscrições para a 34a. Olimpíada Brasileira de Matemática

obm2011

Já estão abertas, até o dia 30 de abril, as inscrições para a 34ª Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM). A competição envolve a participação de professores e alunos das redes pública e particular de todo o país. As inscrições são gratuitas.

PERÍODO DE INSCRIÇÕES PARA AS ESCOLAS
:

• 26 de março a 30 de abril de 2012

INSCRIÇÕES DOS ALUNOS:
As inscrições dos alunos interessados devem ser feitas diretamente com o professor responsável em cada escola participante e esta informação não precisa ser repassada para a Secretaria da OBM. O número de participantes é livre.

NÍVEIS DE PARTICIPAÇÃO:
• Nível 1: alunos do 6o. e 7o. anos do ensino fundamental.
• Nível 2: alunos do 8o. e 9o. anos do ensino fundamental.
• Nível 3: alunos do ensino médio.
• Nível Universitário: alunos de graduação de qualquer curso e qualquer período.

CALENDÁRIO 34ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA:
NÍVEIS 1 - 2 e 3
• Primeira Fase: sábado, 16 de junho de 2012
• Segunda Fase: sábado, 22 de setembro de 2012
• Terceira Fase: sábado, 27 de outubro, (níveis 1, 2 e 3)
domingo, 28 de outubro, para os níveis 2 e 3 (segundo dia de prova).

NÍVEL UNIVERSITÁRIO
• Primeira Fase: sábado, 22 de setembro de 2012
• Segunda Fase: sábado 27 e domingo 28 de outubro de 2012

quarta-feira, 21 de março de 2012

SENID

De 16 a 18 de abril estará acontecendo o 1º Seminário de Inclusão Digital, na UPF, em Passo Fundo.
Minha escola vai participar! E a sua? Ainda dá tempo. Maiores informações: http://senid.upf.br
video

domingo, 18 de março de 2012

FORMAÇÃO DE PROFESSORES - MOODLE

Na manhã do dia 13 de março, os coordenadores da Secretaria Municipal de Educação e das escolas da rede municipal de Passo Fundo participaram de um curso na Universidade de Passo Fundo, com o objetivo de conhecer o sistema AVA Moodle. Os mesmos atuarão como multiplicadores junto aos professores de suas escolas, no que se refere ao projeto de formação continuada, modalidade à distância, optativa e adicional ao curso de formação continuada, que já é oferecido pela SME há alguns anos. Outras datas de curso já estão definidas aos demais professores para que também conheçam como funciona o Moodle e para que o mesmo possa proporcionar inovações pedagógicas e contribua no aperfeiçoamento dos conhecimentos e na qualidade de ensino.

EMEF IMAC REESTRUTURA SEU PPP

O Projeto Político Pedagógico (PPP) define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. É projeto porque reúne propostas de ações concretas a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço de formação de cidadãos conscientes, responsáveis e críticos, que atuarão individual e coletivamente na sociedade, modificando os rumos que ela vai seguir. É pedagógico porque define e organiza as atividades e os projetos educativos necessários ao processo de ensino e aprendizagem.
Desta forma, a escola, com o seu grupo de professores reuniu-se neste sábado (17/03) para dar início à reestruturação do seu PPP. Após assistirem ao vídeo "O projeto político pedagógico e a gestão democrática, de Vasco Moretto, iniciaram-se os debates, tão necessários nestes momentos para que o trabalho possa realmente se concretizar e, mais importante ainda, que determine o jeito de ser e de pensar das pessoas que nela estão envolvidas.

quinta-feira, 1 de março de 2012

2012- ANO INTERNACIONAL DA ENERGIA SUSTENTÁVEL PARA TODOS


A Organização das Nações Unidas – ONU escolheu 2012 para ser o Ano Internacional da Energia Sustentável para Todos (International Year of Sustainable Energy for All). O objetivo desta escolha é viabilizar e fomentar as discussões sobre o acesso, o uso consciente e geração de energia sustentável.
Dados da ONU mostram que mais de 1, 4 bilhões de pessoas em todo o mundo não têm acesso a energia, o que, segundo a própria Organização, acarreta em problemas de saúde, déficit educacional, destruição ambiental e, até mesmo, atraso econômico.
A iniciativa das Nações Unidas pretende atrair a atenção mundial para a importância da energia para o desenvolvimento e a redução da pobreza. Neste sentido é que ela desenvolveu objetivos que devem ser atingidos ate 2030:
• Garantir acesso universal a serviços modernos de energia;
• Dobrar a taxa de melhoria da eficiência energética;
• Duplicar a quota de energias renováveis no setor energético global.
A Energia renovável pelo mundo...
Segundo a Agência Internacional de Energia, atualmente as fontes de energia renovável são responsável por 12% da matriz energética mundial, e estima-se que seja de 17% até 2030. Somente a China produziu cerca de 16 000 megawatts de energia renovável em 2010. Já a Índia produz 13 000 megawatts de energia eólica. Na Alemanha, 9,3% da energia produzia vem desta fonte de energia, pouco em comparação a Dinamarca, que é de 24%.
E o Brasil?
O Brasil tem potencial para produzir cerca de 350 000 megawatts de energia eólica, contudo, atualmente só tem capacidade de produzir 981 megawatts. O País é dependente de energia produzida pelas hidrelétricas, são 90 000 megawatts por ano, com potência para produzir 170 000 megawatts, pouco mais da metade do potencial eólico. A maior parte do potencial hidrelétrico do Brasil está na Amazônia. E por sabe disto, o governo tem tentado a qualquer custo invadir a região amazônica em busca de obtenção de energia. Prova disto é a Hidrelétrica de Belo Monte, que causará imenso impacto socioambiental, tendo custo altíssimo e baixa produtividade.
Além da Belo Monte, o governo planeja construir mais seis hidrelétricas na região amazônica, para viabilizar tais obras, já publicou MP reduzindo áreas de três unidades de conservação, o mesmo deve ser feito com mais quatros unidades.
O Brasil caminha cada vez mais longe do conceito de energia sustentável, planeja destruir, e desmatar para construção de suas hidrelétricas. Não se preocupa em diversificar sua matriz energética, em melhorar a distribuição e reduzir perdas de energia no processo. Enquanto o governo não pensar a longo prazo, a insustentabilidade e os riscos de desabastecimento energético serão constantes.